Atendimento
(11) 4993-5400
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Professor do curso de Farmácia foi procurado pela revista científica Advances in Biological Chemistry para submeter novos trabalhos
 
A parceria pioneira entre Faculdade de Medicina do ABC (FMABC) e Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), do Governo Federal, acaba de contabilizar números impressionantes. As instituições desenvolveram novo método – mais simples e mais barato – para determinar o teor total de polifenois em espécies vegetais, ou seja, o potencial de benefícios dessas plantas à saúde. O estudo, que ganhou destaque na capa da edição de dezembro de 2013 do periódico científico internacional “Advances in Biological Chemistry”, acaba de atingir mais de 10,5 mil visualizações na internet e 5,8 mil downloads.
 
O volume de acessos e a grande repercussão do trabalho levaram a editora, em 2015, a convidar o professor titular de Química Analítica, Dr. Horacio Dorigan Moya, a integrar o corpo editorial da revista. Agora, o docente foi novamente procurado para submeter novos estudos. “Escrevo para convidá-lo a enviar novos trabalhos. Até o momento, seu último artigo publicado em nossa revista foi baixado e visto muitas vezes, o que revela ser um tema de grande interesse entre os leitores em todo o mundo”, afirmou via e-mail Charlotte Hopkins, editora assistente da Advances in Biological Chemistry.
 
Segundo o professor da FMABC, neste 2017, a mesma reação química está sendo adaptada, novamente em parceria com o INPA, para a quantificação da atividade antioxidante de extratos vegetais, chás e também de outras amostras de origem vegetal, como vinhos e cervejas.
 
INTERESSE CIENTÍFICO
O processo de quantificação de polifenois desenvolvido no ABC baseia-se em reação química ainda não utilizada para essa finalidade, testada com sucesso em 20 espécies – algumas nativas da Amazônia. A pesquisa é o resultado do projeto de iniciação científica da ex-aluna Mônica Gabriela do Santo, hoje já formada no curso de Farmácia da FMABC, e fruto de estágio realizado pelo Dr. Horacio Moya em setembro de 2011 no INPA. O estudo também conta com colaboração da Dra. Cecilia Veronica Nunez, professora do Laboratório de Bioprospecção e Biotecnologia da COTI-INPA (Coordenação de Tecnologia e Inovação do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia).
 
Batizado “A new method for quantification of total polyphenol content in medicinal plants based on the reduction of Fe(III)/1,10-phenanthroline complexes”, o trabalho está disponível gratuitamente no link http://www.scirp.org/journal/abc, do periódico Advances in Biological Chemistry (vol. 3, número 6, páginas 525-535). Trata-se de revista publicada pela Scientific Research Publishing – editora internacional dedicada a várias disciplinas nas áreas de ciência, tecnologia e medicina.
 
BENEFÍCIOS À SAÚDE
Os extratos vegetais são ricos em antioxidantes como carotenos, fitoestrogênios e polifenois. São compostos capazes de remover radicais livres do organismo, que em excesso podem atacar células normais e gerar danos em biomoléculas como proteínas e DNA, ocasionando determinados tipos de câncer, doenças cardiovasculares e patologias relacionadas ao envelhecimento. Devido à complexidade e à diversidade dos compostos presentes nos vegetais, normalmente determina-se o teor total de polifenois. “Os polifenois são substâncias benéficas ao sistema cardiovascular devido a ações antioxidantes, antimicrobianas, anti-inflamatórias e até mesmo antitumorais. Como regra geral, quanto maior a quantidade de polifenois nos alimentos, maiores os benefícios que podem trazer à saúde”, explica Dr. Horacio Dorigan Moya.
 
Inicialmente os testes com o novo método da FMABC contemplaram plantas que já constam da Farmacopeia Brasileira (tipo de manual geral de orientação), como hamamelis, barbatimão, espinheira santa e carqueja. A segunda etapa incluiu espécies de uso comum na medicina popular, entre as quais graviola, guaçatonga, aroeira, gervão, tanchagem, andiroba e porangaba. A última fase do trabalho consistiu no estudo de espécies características da região Norte do país, como escada de jabuti, canarana, cumaru, pau pereira, salva de Marajó, sucuúba, jatobá, miraruira e lacre – essa última com muito poucas pesquisas disponíveis na literatura internacional.